Arquivo mensal: agosto 2012

Xô, negatividade!

A ideia para o título foi do irmão e médico Dr.Hélio, diante das previsões negativas feitas por outras mães para as gestantes de primeira viagem…! Não vou nem reproduzir tudo o que ouvi, pois não vale a pena… Acho que o ser humano enxerga as dificuldades antes das vantagens em qualquer processo. Daí ser tão mais dizível o lado contraproducente das coisas…

Essa atitude condiz com a ótica que temos do copo de água meio cheio ou meio vazio… Acredito que uma mãe que não curte sua gestação, pelos novos sintomas físicos ou pelos emocionais alterados, com os quais deve aprender a conviver durante os nove meses, tem, em sua história, as justificativas para tal postura. Pode, ainda, ser uma gravidez não planejada… Quem sabe?

Mesmo tendo escrito sobre os primeiros sintomas, incluindo os que não são tão agradáveis, considero todos suportáveis, por isso nem merecem tanto destaque. Obviamente, existem as exceções, quando gestantes devem ficar em repouso por riscos que correm. Então, devemos, sim, prestar atenção aos sintomas, mas não torná-los o centro do momento vivido.

O novo ser em formação é a estrela deste espetáculo da vida e, se nos focarmos nele, todo o restante fica tão pequeno…! Compartilhei algumas dicas preciosas, as quais auxiliam muitíssimo na redução dos sintomas físicos. Eu mesma quase me transformo em coelha! 😉 E quanto mais sigo essas dicas e alimento-me adequadamente, menos incômodos…

Para as emoções, o Amor é a resposta, a solução, o caminho… Há tantas mulheres com tão baixa autoestima e que, nesse período tão especial, não contam com o apoio carinhoso dos esposos, os quais não admiram a beleza de uma gravidez,  e isso aumenta a insegurança delas… A essas me dirijo, apontando-lhes a melhor saída: a busca do Perfeito Amor!

Mais que qualquer homem, sejam os pais ou os maridos, há Alguém que nos completa e supre nossas carências; há Alguém que é uma fonte inesgotável de sabedoria e graça; há Alguém que prometeu nos ensinar tudo o que precisamos aprender, bastando pedir; há alguém que nos ama demais e tem poder para equilibrar nossa autoavaliação…

E, sentindo-nos tão amadas, passamos a amar com mais facilidade também, primeiramente a nós mesmas, depois a todos com os quais convivemos; passamos a ver o lado positivo da vida, relevando o que é passageiro, para evidenciar o que tem valor eterno; enfim, ao abrirmos nossos corações para Ele, encontramos o nosso verdadeiro melhor amigo: Deus…

Então, não se preocupe, mamãe de primeira viagem… Deus nos ama, como diz a canção… Deus nos ama tanto, ao ponto de ultrapassar esse amor que sentimos pelos nossos filhos, como afirmado em Isaías, capítulo 49, versículo 15: “Será que uma mãe pode esquecer do seu bebê que ainda mama e não ter compaixão do filho que gerou? Embora ela possa se esquecer, eu não me esquecerei de você!”

Anúncios

Dicas preciosas

“Só via a minha tia chegando com a cenoura…” – disse-me a amiga Andreine, quando comentei sobre a azia que começou a incomodar logo no início da gestação. Você pode estar se indagando, assim como eu: cenoura? Sim! Experimentei e dá super certo! A cada nova visita da azia, uma cenoura… e o mal-estar passa quase imediatamente! Pesquisando, encontrei que pode-se consumi-la também na forma de suco; e, em caso de gastrite, um suco de couve folha vai bem…

Para as náuseas, a irmã Ana indicou frutas cítricas, como o limão, a laranja e a tangerina e sugeriu ainda cheirar a casca. A queridíssima Silvinha lembrou que a banana só pode ser consumida como lanche, entre as refeições. É recomendado, também, não misturar o leite e seus derivados ao almoço e/ou jantar, pois o cálcio impede que o organismo absorva o ferro presente no feijão ou nas hortaliças. Consequentemente, nada de sobremesas lácteas! Para auxiliar na absorção do ferro, sucos cítricos.

A mamãe do Arthur, Neuma, explicou a diferença entre os carboidratos simples (biscoito, bolacha, bolo…) e os complexos (macaxeira, batata doce, inhame…), os quais são digeridos em velocidades distintas, a saber, os simples rapidamente e os complexos vagarosamente. A diferença aparente está em que os primeiros ajudam no “processo de engorda”… E, naturalmente, ganhamos quilogramas a mais durante a gestação, não é? Então, vamos de complexos!!!

As alterações hormonais, frequentes durante estes nove meses, e a imunidade mais baixa podem causar a sinusite. Mas não se preocupe, a solução foi me apresentada pela nutricionista Maria Gisleide e confirmo aqui a eficácia dela! É simples, apesar de ter uma sequela para o hálito da mamãe… 😉 Ficou curiosa? Basta acrescentar cebola crua – preferencialmente a roxa, pois provoca menos gazes – às saladas, no almoço e jantar! A bendita é um anti-inflamatório natural. Benção, não é?

Até o momento, é isso! Não pretendo esgotar essas informações e aconselho consulta a um(a) nutricionista, pois uma dieta só é válida se individualizada. Assim, de dica em dica, a gente vai aprendendo tanta coisa preciosa!!! E a mulherada é muito boa nisso!!! Aliás, amamos trocar receitas que dão certo, não é? E percebi que, com grávidas, a generosidade das outras mães transborda… Sou grata por estar cercada por tanta bondade e carinho! Até já sou tratada por “mainha” –   regionalismo nordestino para mãezinha! ♥

Ah… e para o sono, o único remédio é dormir… Uaaaaaaahhhhh…

Primeiros sintomas

Lembro-me dos amigos Alex e Ana, quando fomos ao cinema assistir aOs Vingadores, “pegando no pé”, questionando se não seria uma gravidez, as benditas tonturas que, antes mesmo de saber-me gestante, comecei a sentir. Em meio à descoberta, cólicas abdominais me acompanharam, por cerca de duas semanas. Isso foi motivo de pesquisa e descobri que faz parte do presente!

E que pacotão esse, hein!!! Aumentos corporais diversos, náuseas, dores de cabeça, alteração da visão, azia, refluxo, muito sono e… FOME GIGANTESCA, incluindo mudanças no paladar…! O mais inesperado foi o repentino prazer em saborear salsichas, tal qual o papai Guga! E o desgostar de tomar sopas, as quais apreciava;  outra característica do progenitor… 😉

O que escrever, então, sobre o lado psicológico? As emoções afloraram, de repente, à pele… O riso e o choro, o bom e o mau humor, a tranquilidade e a irritabilidade, etc, em uma simultaneidade assustadora!!! Quanto à manutenção da mente, a diminuição do nível de concentração, minguaram a capacidade para ler e escrever… 😦 #motivodospostsdesatualizados

Deixei passar várias ideias nesse período, das quais sequer me recordo… O que me lembra da falta de memória incrivelmente atuante!!! Aproveito para pedir desculpas por ter sido desatenciosa, por ter interrompido diálogos sem ter a menor ideia do que pretendia falar etc. E a lentidão revelada nas mais simples tarefas, no responder ou compreender? Chega a ser divertida! 🙂

Você pode estar achando esse post pessimista e se indagando como é possível curtir mesmo assim uma gestação, não é? Bem, o que sei é que os sintomas físicos são universais, mas em nível individualizado, de mãe para mãe, dependendo de inúmeros fatores. No meu caso, não senti tudo o tempo todo e alguns deles  são quase nulos, atualmente… #ontemcompletamos20semanas

Quanto aos sintomas emocionais, as primeiras manifestações foram tão fortes, que cheguei a fazer feio com o Guga… Mas, fui aprendendo a respirar fundo e a apresentar cada sentimento “novo” ao meu Deus,  que tem sido meu auxiliador, capacitando-me a sorrir em meio à inexplicável vontade antônima… Se Ele mesmo disse: “Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza” (IIª Carta aos Coríntios, capítulo 12, versículo 9), do que mais preciso?

Peço a graça suficiente para cada novo dia, consciente de que os sintomas são  passageiros, e vou desfrutando de todas as novidades dessa etapa tão especial… Uma das mais esperadas e já confirmada pela ultrassonografia é que um garotão está chegando aqui, em PE, e uma priminha no MS…! E o melhor é que falta apenas cerca de metade do caminho para podermos ver os seus rostinhos… Aguentem, corações! #amoessa1ªimagemdomeufilho